Rua Flávio Fongaro, 126 - Vila Marlene
São Bernardo do Campo - SP

(11) 4332-6953
Mensagem do pároco › 06/05/2015

Maio: o mês de Nossa Senhora

Nossa Senhora de Fátima.

A Virgem Maria é uma figura ímpar na história do povo de Deus. Antes dela houve quem recebeu grandes dons, como Abraão – pai da fé e do povo israelita –, Moisés – a quem Deus confiou Sua Lei e a libertação do povo –, Davi – o grande rei –, Elias – o maior dos profetas… Mas nada disso chega perto da graça singular dessa mulher: escolhida e amada com predileção pelo Pai para ser, por virtude do Espírito Santo, a Mãe de Jesus, o Salvador da humanidade (cf. At 1,14).

Maria não apenas gerou o Filho de Deus e O deu à luz, mas esteve como ninguém ao Seu lado por toda a vida oculta e pública, do primeiro milagre em Caná (cf. Jo 2,1-11) ao sacrifício do Calvário – o milagre maior de nossa redenção, consumado na ressurreição! –, onde foi chamada por Ele a exercer uma nova maternidade em relação ao discípulo amado e, por meio Dele, à Igreja inteira (cf. Jo 19,25-27; At 1,14).

Mãe de Deus (cf. Lc 1,43) e Mãe da Igreja (cf. Jo 19,27), Maria é a mulher ideal, a mulher do sonho de Deus: filha, esposa e mãe; é o protótipo feminino e por isso a celebração do mês de maio, tipicamente mês mariano, é a celebração do verdadeiro mês das mulheres, chamadas a serem filhas, esposas e mães.

Celebrar o mês das mães, inclusive a de Deus, é dar graças a Deus pelo dom da feminilidade e sua presença amorosa nos lares, na sociedade e na Igreja, especialmente em nossa comunidade paroquial. Maria é a mulher emancipada (do pecado), que foi firme em seu propósito e alcançou o seu lugar (ao lado de Deus) e que com seu silêncio, descrição e exemplo se tornou célebre e “disse” muito mais do que poderia fazer em discursos, escritos e exibições públicas (cf. Lc 1,48).

Depois do “sim” (cf. Lc 1,38), sem dúvida sua mais importante expressão é aquela encontrada em Caná: “Fazei o que ELE vos disser” (Jo 2,5). Maria é esta seta na história indicando o único caminho, verdade e vida (cf. Jo 14,6); nela, vocês mulheres – filhas, esposas e mães –tornam-se quais outras setas a indicar o Deus conosco, Seu caminho, verdade e vida.

Que privilégio o nosso de ter por padroeira aquela que acreditou nas promessas do Senhor! (cf. Lc 1,45). Isso é uma alegria e dádiva, e também uma grande responsabilidade, pois de filhos de uma Mãe tão magnífica nunca se pode esperar mediocridade. Assim, queridos amigos, que encontremos na Virgem de Fátima uma forma, um molde e uma escola para a formação de nossa vida e fé; sim, que com ela possamos aprender a fazer o que ELE tem nos dito.

Possa a nossa comunidade servir-se deste mês tão especial para reavivar a chama de sua identidade mariana e impregnar, sobretudo as nossas famílias, com a graça do discipulado de Jesus Cristo e da devoção à Sua Santíssima Mãe. Não apenas celebre neste mês, mas transforme-o em ocasião de evangelização, oportunidade para aproximar mais gente de Deus e Sua graça.

Entre os dias 3 e 13 estaremos como que vivenciando um retiro espiritual, recordando o início das aparições de Nossa Senhora aos pastorzinhos de Fátima, fato ocorrido entre maio e outubro de 1917, no dia 13 de cada mês. O pedido desta tão boa Mãe permanece válido em nosso século: oração, em especial do terço; conversão, para deixar a vida de pecado habitual; amor à Eucaristia; reparação, com penitências, orações e sacrifícios pela conversão dos pecadores; devoção e consagração ao Imaculado Coração de Maria.

Para comemorar esta data tão especial, nossa Paróquia preparou a novena, que tem início no dia 4 e se estende até o dia 12 de maio, e a tradicional quermesse, que tem início no dia 2 de maio e se estende até 31 de maio (aos sábados e domingos). O ponto alto será o dia 13 de maio, dia de Nossa Senhora de Fátima. Fique ligado em toda a programação, com suas atividades e horários, participe e traga seus familiares e amigos para viver esse forte momento de encontro com Deus.

Também se organize para estar em nossa quermesse, que se dará ao longo do mês de maio, do dia 2 ao dia 31. Além de promover a convivência e interação, ela é fundamental para levantarmos os recursos e concluir o projeto de reforma paroquial. Contamos com sua presença, doação, trabalho e divulgação.

Encerro saudando todas as mulheres, de modo especial as queridas mães, para as quais dedico este trecho de uma catequese do Papa Francisco, em 7/1/2015: “Uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral. As mães transmitem, muitas vezes, também o sentido mais profundo da prática religiosa: nas primeiras orações, nos primeiros gestos de devoção que uma criança aprende, é inscrito no valor da fé na vida de um ser humano (…). Sem as mães, não somente não haveria novos fiéis, mas a fé perderia boa parte do seu calor simples e profundo. E a Igreja é mãe, com tudo isso, é nossa mãe! Nós não somos órfãos, temos uma mãe! Nossa Senhora, a mãe Igreja e a nossa mãe. Não somos órfãos, somos filhos da Igreja, somos filhos de Nossa Senhora e somos filhos das nossas mães”.

 

Pe. Augusto César,
Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, SBC.

Imprimir