Rua Flávio Fongaro, 126 - Vila Marlene
São Bernardo do Campo - SP

(11) 4332-6953
Mensagem do pároco › 09/03/2016

Uma semana que vale a eternidade

A fé cristã ao longo da história sempre suscitou a admiração ou a estranheza em todas as sociedades, desde os seus primórdios.

Neste mês de março, de modo muito particular nos dias 24, 25 e 26, no Tríduo Pascal, teremos a feliz oportunidade de reviver aquele que é o ponto decisivo do cristianismo, que suscita tanto a fé, como a rejeição ao Evangelho: o Mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Filho de Deus.

Este é sem dúvida o período mais intenso e importante do calendário litúrgico e, por isso, o período mais relevante na vida de um cristão católico.

Toda a preparação e exercícios espirituais a que estamos sendo submetidos desde o início da Quaresma, enfim, agora farão todo o sentido e como um rio desaguarão neste oceano de graça, misericórdia, bondade e paz que é a Semana Santa.

Mas o que celebramos nestes dias de tão importante? Ora, celebramos, não apenas como memória ou recordação, mas como atualização e presentificação – milagre que se torna possível graças ao Santo Sacrifício da Missa, instituído por Cristo na quinta-feira Santa – o fato de que o próprio Deus nos ama profundamente e morreu por nós, a fim de nos salvar e conduzir à VIDA.

Sim, na Semana Santa e precisamente no seu ápice, que é o Tríduo, reconhecemos corajosamente e proclamamos com nossos gestos, celebrações, jejum, procissão e cânticos que o Cristo foi crucificado por amor de nós, que Ele tomou sobre si todo o sofrimento da humanidade e absorvendo toda a maldição do pecado e morte em Sua divina natureza humana. Historicamente o preço pago pelo Filho de Deus foram as moedas de Judas Iscariotes, o apóstolo.

Cristo, como se estivesse em um mercado, teve um preço estabelecido e foi oferecido como um produto ou coisa. Experimentou toda a amargura de uma traição, que tanto fere a dignidade de uma pessoa. Ele entrou assim no caminho da humilhação, percorrendo até o fim por amor a nós, na pior morte de sua época, a Cruz. Aquele que o povo conhecia como profeta morreu como criminoso.

Na Paixão temos uma resposta divina para o mistério do mal, da dor e da morte, sobretudo dos inocentes. Este olhar de fé e amor à Paixão de Cristo reacende em nós a esperança em Deus e na vitória sobre o pecado, a injustiça, a morte. Apesar de estranho para nossa lógica, na Cruz está Aquele que venceu! Nossa resposta só pode ser amá-Lo mais! A morte de Cristo é um Mistério desconcertante do amor divino, uma prova incontestável da grande humildade de Deus, que não se cansa de procurar-nos e dar-nos oportunidades de conhecê-Lo, para amá-Lo e com Ele viver para sempre.

Na Paixão e Morte de Cristo tocamos no centro do que é este Ano Santo da Misericórdia: Deus ama quem Lhe vira as costas e oferece o que tem de melhor, Seu Filho (cf. Jo 3,16). A Paixão foi por você, mas também a Ressurreição foi por você, pois é quando tudo parece perdido que o poder de Deus se manifesta e nos surpreende.

A Ressurreição não é o final feliz de uma história dramática, um conto qualquer, ela é a intervenção de Deus quando já não havia mais esperança, é o ponto de partida para uma vida nova. A morte morreu, Deus venceu e triunfou com Seu amor! Talvez você já tenha experimentado isso em sua vida, aquele momento em que a “noite” fica mais escura; mas é aí que então surge a luz da manhã. Por isso, na dor, não mascare seu sofrimento, aceite-o, viva-o, chore, “morra”; é o caminho da humilhação pelo qual você se une à Paixão.

Mas não pare nisso, vá além, creia, deixe que o Senhor te ressuscite seja lá de que tipo de morte você tenha sido acometido. Enquanto houver esperança haverá a possibilidade do agir maravilhoso de Deus, esperança de ressurreição! Participe da programação completa de nossa paróquia para esta Semana Santa, abra-se a esta experiência única de sentir-se amado por Deus. Jogue fora seus pecados, por meio de uma boa confissão, una-se a Cristo sofredor, mas guarde no seu coração também aquele delicioso silêncio, que é próprio Sábado Santo, no qual, durante a Vigília Pascal – a Missa do ano – com muita alegria gritaremos em louvor: “Vive Jesus, o Senhor! Ele vive, Ele reina, Ele está no meio de nós. Venceu a morte, deu-nos vida para sempre. Aleluia!”.

Imprimir